Nova escola virtual de economia criativa conecta jovens, profissionais e empresas

Por Redação

Co.liga, parceria da OEI com Fundação Roberto Marinho, vai oferecer cursos gratuitos para unir a formação dos jovens estudantes a oportunidades de trabalho. O Museu de Arte do Rio é um dos ‘co.ligados’ e apoia a iniciativa.

Uma escola de economia criativa e um espaço de fortalecimento de redes com o objetivo de conectar juventudes, profissionais e empresas. Essa é a proposta da co.liga, escola virtual de economia criativa, com acesso gratuito, para oferecer formação e inclusão produtiva de jovens em vulnerabilidade social no mercado de trabalho. O lançamento acontece nesta sexta-feira (12/11), às 18h, no Museu de Arte do Rio. O evento chamado co.ligaFEST terá transmissão ao vivo pela home do Portal G1. Com apresentação dos músicos China Ina e Negra Jaque, a live traz um pequeno festival, com várias atrações, entre clipes, dança, poesia e conversas. A programação articula a produção cultural realizada em diversos territórios do país com debates sobre o campo da economia criativa e sua importância como possibilidade de inclusão produtiva das juventudes. A iniciativa é uma parceria da Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI) com a Fundação Roberto Marinho e vai mobilizar criadores, produtores de conteúdo, coletivos e empresas de todo o país.

A co.liga atua nos eixos de educação, trabalho e comunidade, oferecendo conteúdo educacional desenvolvido por profissionais do mercado; mentores para apoiar a formação dos estudantes, oportunidades de trabalho oferecidas por empresas e uma comunidade de ‘co.legas’ para trocar ideias e manter-se ‘co.ligado’.

Inicialmente são oferecidos 37 cursos livres de curta duração segmentados em cinco áreas da Economia Criativa – Patrimônio, Música, Multimídia, Design e Artes Visuais – e temas transversais que dão suporte à trajetória dos jovens, como empreendedorismo, línguas, cidadania e elaboração de projetos culturais. Entre as opções segmentais, estão desde fotografia, design para web e roteiro audiovisual até turismo para cidades criativas, passando por produção musical, produção de infográficos e muitos outros. Todos os cursos são online e gratuitos: cada estudante escolhe sua trajetória e acessa quando e onde puder, por celular ou computador.  Faça parte da comunidade virtual do co.liga se inscrevendo no site coliga.digital e acesse os cursos a partir do dia 16 de novembro.

Conteúdo desenvolvido por nomes do mercado

O conteúdo dos cursos foi desenvolvido por nomes reconhecidos em suas áreas, como o músico e apresentador China Ina; o produtor cultural Leo Feijó, ex-subsecretário de Cultura e Economia Criativa do Rio de Janeiro; e a empresa de design e inovação FabLab Recife. A formação combina teoria e prática, de forma que o estudante possa aplicar o que aprendeu em produções e projetos individuais e coletivos, com foco no mercado de trabalho. Os estudantes recebem certificados após a conclusão dos cursos e, de acordo com a participação em atividades, poderão, posteriormente, contar com sessões de mentoria com profissionais reconhecidos pelo mercado e prestigiados pelas juventudes. 

No eixo do trabalho, a escola promove a conexão dos estudantes com o mercado: empresas, gestores, produtores, desenvolvedores e empreendedores ‘co.ligados’ vão oferecer, na própria plataforma, oportunidades de trabalho para os estudantes, a partir de uma rede de parcerias estratégicas organizada pela co.liga. Os estudantes também poderão compartilhar seu portfólio na plataforma.

“A iniciativa da OEI no Brasil nasce a partir do reconhecimento da capacidade criativa do jovem brasileiro. Valorizar essa capacidade intelectual e criativa dos jovens, especialmente aqueles em situação de vulnerabilidade social, significa gerar oportunidades para que tenham acesso à conteúdos culturais e o desenvolvimento de competências e habilidades profissionais que possibilitem a geração de novos negócios em economia criativa”, diz Raphael Callou, chefe e diretor da Representação da OEI para a Educação a Ciência e a Cultura (OEI) no Brasil.

Mais de R$ 171,5 bilhões gerados pela indústria criativa no Brasil

Callou destaca que a economia criativa no Brasil aumentou a geração de empregos e valores. Segundo levantamento da Firjan (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro) em 2017, a indústria criativa gerou R$ 171,5 bilhões (equivalente a mais de 2,6% do PIB) e teve mais de 837 mil trabalhadores oficializados. “Da mesma forma, a criatividade dos jovens é um capital social para gerar uma nova perspectiva de futuro com mais acesso à cultura e ao mercado de trabalho. Por isso, é de grande interesse da OEI estimular o papel estrutural da cultura e da economia criativa para o aprimoramento dos jovens, do país e da Ibero-América. Acreditamos, portanto, na cultura como estratégia de desenvolvimento e entendemos que é por meio da educação que teremos um ambiente mais preparado para lidar com as potencialidades da economia criativa favorecendo a inclusão e a equidade”, completa.

A escola vai ao encontro de uma juventude que, diante de desafios econômicos e sociais, muitas vezes se afasta da escola e segue em ocupações informais, mas tem energia, criatividade e capacidade de adaptação. Por isso, a co.liga não desconsidera saberes e vivências já adquiridos na prática e se adapta a uma realidade de jovens mais interessados em projetos criativos que em modelos de formação tradicionais. 

 “A co.liga é um sonho, de fortalecer o coletivo das juventudes brasileiras no seu processo de inserção produtiva, pelos caminhos da cultura, da arte, da inovação. Um espaço para se desenvolver, ver e ser visto, manter-se informado sobre oportunidades de trabalho e de jornadas criativas colaborativas. É um território livre, dinâmico, em que os mais jovens não são tratados como ‘café-com-leite’ em seus pensamentos e ações. Lugar de encontros, compartilhamento de experiências com pessoas que já são reconhecidas pelo que fazem. Um lugar de transformação. Juntos vamos fazer a roda girar”, conta João Alegria, gerente geral do Laboratório de Educação da Fundação Roberto Marinho.

Comunidade conecta produtores e jovens de todo o país

A comunidade virtual da escola também vai formar um espaço de compartilhamento, reconhecimento e valorização, com uma programação cultural online que inclui debates, palestras, aulas abertas, shows, leituras e diversas atividades que ampliam a formação dos jovens. Com parcerias mobilizadoras de coletivos e instituições de várias regiões do país – como Arrastão, de São Paulo; Cecip /Oi Kabum, do Rio de Janeiro; FASE, de Pernambuco; Oficina de Imagens e Inhotim, de Minas Gerais; Jovens de Expressão, de Brasília; e TVOvo, do Rio Grande do Sul – a escola tem abrangência nacional e o objetivo de estimular os ecossistemas econômicos regionais, diminuindo as desigualdades no acesso à cultura. 

“Neste período de pandemia, percebemos o quanto é significante para o jovem utilizar e se apropriar de maneira ativa de ferramentas tecnológicas e dos assuntos que estão em destaque no mercado de trabalho, mas é ainda mais importante incentivar a criação de uma rede que possa contribuir gerando e compartilhando oportunidades.” Conta Francielli Sampaio, integrante do coletivo Arrastão e do núcleo de empreendedorismo e inovação, ARRASTART.

Projeto pedagógico

O projeto pedagógico da escola está alicerçado nos princípios norteadores da Economia Criativa – diversidade cultural, inovação, inclusão e sustentabilidade -, com a intenção de proporcionar oportunidades educativas inclusivas, por meio da criatividade e da integração entre várias linguagens, recursos e pessoas.

“Apostar na Economia Criativa é uma estratégia essencial para aprender a viver e promover o desenvolvimento solidário, includente e sustentável. Educar as juventudes para a Economia Criativa é uma ação política de emancipação social e um grande passo para a superação da desigualdade brasileira, que visa qualificar os jovens brasileiros para o empreendedorismo e o exercício de ocupações da cultura, das artes, das novas mídias, das tecnologias da informação e das criações funcionais.” Expressa Cláudia Leitão, responsável pelo Projeto Pedagógico. O objetivo é apostar no papel transformador da Cultura e da Educação, construindo uma política sensível às potencialidades, valores e necessidades das juventudes que são públicos-alvo da Escola.

Programação de Lançamento da co.liga no dia 12/11

Live na home do G1, às 18h, transmitida do Museu de Arte do Rio, com apresentação de China Ina e Negra Jaque.

ABERTURA:

Co.liga – Uma escola para criativos, com João Alegria, Raphael Callou e Lucimara Letelier –  coordenadora do Museu Vivo

Bate-papo:

Como fazer juntos? – Betita Valentim – Fab lab Recife (PE) + Sophia Prado – Coletivas Delas (RJ)

Memes e humor nas redes sociais  – Júlio Emílio – Saquinho de lixo (SP) + Raphael vicente (RJ)

Diversidade no audiovisual  – Cleissa Regina Martins (RJ) + Naina de Paula (RJ)

Games e tecnologia – Scoot Hill – Copa das Aldeias (MS) + Larissa Vitoriano – Programaria (SP)

Co.ligados

Amanda Cruz (Perifa Sustentável) e Givanildo Pereira (Favela express) – SP

Teritórios – Bela Maré – Observatório de Favelas (RJ) e Porto Digital – Proa Cultural (PE)

Museus – Paço do Frevo (PE) e Museu das ilhas (RS)

Podcast – Pretapod (RJ) e Esquizofrenoias  (SP)

Rappers – Negra Jaque (RS) e Paulo Amaro (DF)

Audiovisual – Ronaldo Piovezan (DF) e Zeca Brito (RS)

Panorama com clipes, dança e poesia:

Kurt Sutil (AM)

Raidol (PA)

Isadora Melo (PE)

Giovani Cidreira (BA)

Rap plus size (SP)

Negra Jaque (RS)

China Ina (SP)

Tavin (SP)

Cia. Fusion de Danças Urbanas (MG)

Coletivoz (MG)

O Museu de Arte do Rio

Iniciativa da Prefeitura do Rio em parceria com a Fundação Roberto Marinho, o Museu de Arte do Rio passou a ser gerido pela Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI) desde janeiro deste ano, apoiando as programações expositivas e educativas do MAR a partir de um conjunto amplo de atividades para os próximos anos. “A OEI é um organismo internacional de cooperação que tem na cultura, na educação e na ciência os seus mandatos institucionais, desde sua fundação em 1949.

O Museu de Arte do Rio, para a OEI, representa um instrumento de fortalecimento do acesso à cultura, intimamente relacionado com o território, além de contribuir para a formação nas artes, tendo no Rio de Janeiro, por meio da sua história e suas expressões, a matéria-prima para o nosso trabalho”, comenta Raphael Callou, diretor e chefe da representação da OEI no Brasil.

Após o início das atividades em 2021, a OEI e o Instituto Odeon celebraram parceria com o intuito de fortalecer as ações desenvolvidas no museu, conjugando esforços e revigorando o impacto cultural e educativo do MAR, onde o Odeon passa a auxiliar na correalização da programação.

O Museu de Arte do Rio tem o Instituto Cultural Vale como mantenedor, a Equinor como patrocinadora master e a Bradesco Seguros como patrocinadora, todos por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura. A Escola do Olhar conta com o apoio do Itaú, da Machado Meyer Advogados e da Icatu Seguros via Lei Federal de Incentivo à Cultura. Por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura – Lei do ISS, é também patrocinada pelo Grupo GPS, RIOgaleão, ICTSI Rio Brasil, ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico) e HIG Capital. O Instituto Olga Kos patrocina os recursos de acessibilidade do MAR.

O MAR conta ainda com o apoio do Governo do Estado do Rio de Janeiro e realização da Secretaria Especial de Cultura, Ministério do Turismo e do Governo Federal do Brasil, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura.

 Mais informações em www.museudeartedorio.org.br

Agradecemos pela sua visita, por ler essa matéria e principalmente pelo prestígio da vossa audiência!

Compartilhe com seus amigos e pessoas que conheça para que conheçam o nosso conteúdo. E que também continuem nos prestigiando e se possível, nos seguindo em nossas redes sociais através do:

Instagram: https://www.instagram.com/sambrasilturismoecultura/          

YouTube: https://www.youtube.com/channel/UCRQn6jlELDq9C57WGQegATw          

Facebook: https://www.facebook.com/SambrasilTurismoeCultura         

Twitter: https://twitter.com/PortalSambrasil         

Spotify: https://open.spotify.com/user/x8yhy7k5ox83rzi81pxo3nikp         

SoundClound: https://soundcloud.com/sambrasilpodcasts           

Torcemos para que tudo esteja bem com você e com toda a sua família. Cuide-se!

PARA EVITAR O CONTÁGIO PELO CORONAVÍRUS, TRÊS REGRAS BÁSICAS QUE SALVAM E PRESERVAM VIDAS DEVEM SER SEGUIDAS E ADOTADAS: USO DE MÁSCARA, HIGIENIZAÇÃO E A NÃO AGLOMERAÇÃO / DISTANCIAMENTO SOCIAL.

Os 7 sites de turismo mais acessados no mundo

Por Redação Nesta semana me deparei com um post do site Skift.com que apresentava os ...

Learn more

Related posts