Um debate sobre a bibliodiversidade

Por Redação

Tendo como marco os 40 anos da Lei Lang na França, o Instituto de Estudos Avançados da USP realiza um simpósio virtual para discutir as diversas implicações da lei. Primeiro dia de debate reuniu importantes nomes do Brasil e França.

Há 40 anos, foi aprovada na França a Lei Lang, que regulamentou o preço do livro no país. Com uma grande mobilização da sociedade e ainda uma campanha de massa para a formação da opinião pública, os profissionais do livro se viram unidos em uma única pauta. Aprovada em 10 de agosto de 1981, desde então, a Lei Lang tem inspirado iniciativas similares em diversos países. No Brasil, o PL 49/2015, que quer instituir a política nacional de fixação do preço do livro, ainda está estacionado no Senado, mas os debates sobre o assunto continuam.

Pensando em construir um diálogo relevante sobre o projeto e tendo como inspiração os 40 anos da Lei Lang, o Instituto de Estudos Avançados da USP organizou o simpósio virtual Por uma lei da bibliodiversidade, que até sexta (15), reunirá importantes nomes da cadeia nacional e internacional do livro para falar sobre o tema. Com curadoria de Livia Kalil (IdA-Sorbonne Nouvelle), Marisa Midore Deaecto (ECA e IEA/USP) e Patrícia Sorel (Université Paris-Nanterre, Pôle Métiers du Livre) o simpósio pretende discutir todos os aspectos da Lei do Preço Fixo (ou Lei do Preço Comum), seus benefícios na França, sua abrangência, seu papel na formação dos leitores e ainda sua aplicação no Brasil.

Em sua abertura, nesta quarta (13), o evento contou com a participação do ex-Ministro da Cultura da França, Jack Lang, responsável pela implementação da Lei no país. Em sua fala, Jack frisou que é preciso insistir para que se adote um texto que possa contribuir para salvar a literatura, as edições e os leitores brasileiros. Ele lembrou ainda, que quando o debate ocorreu na França, também encontrou resistência e hostilidade por parte do governo e do povo, mas que 40 anos depois, o que se vê é que a lei salvou os livreiros franceses. “Hoje temos quatro mil livreiros independentes na França e esses livreiros constituem a base a partir da qual uma variedade editorial pode se multiplicar”, disse. E insistiu: “A grande maioria dos países que não adotaram essa lei estão com problemas, num processo de degradação, então me permito dizer aos amigos brasileiros: aguentem, aguentem firme”.

TAGS: LEI DO PREÇO FIXO, LEI LANG, PL 49/2015, USP

Agradecemos pela sua visita, por ler essa matéria e principalmente pelo prestígio da vossa audiência!

Compartilhe com seus amigos e pessoas que conheça para que conheçam o nosso conteúdo. E que também continuem nos prestigiando e se possível, nos seguindo em nossas redes sociais através do:

Instagram: https://www.instagram.com/sambrasilturismoecultura/         

YouTube: https://www.youtube.com/channel/UCRQn6jlELDq9C57WGQegATw        

Facebook: https://www.facebook.com/SambrasilTurismoeCultura        

Twitter: https://twitter.com/PortalSambrasil        

Spotify: https://open.spotify.com/user/x8yhy7k5ox83rzi81pxo3nikp        

SoundClound: https://soundcloud.com/sambrasilpodcasts          

Torcemos para que tudo esteja bem com você e com toda a sua família. Cuide-se!

PARA EVITAR O CONTÁGIO PELO CORONAVÍRUS, TRÊS REGRAS BÁSICAS QUE SALVAM E PRESERVAM VIDAS DEVEM SER SEGUIDAS E ADOTADAS: USO DE MÁSCARA, HIGIENIZAÇÃO E A NÃO AGLOMERAÇÃO / DISTANCIAMENTO SOCIAL.

Presidente da Riotur recebe turistas no Porto e no Aeroporto

Por redação O presidente da Riotur, Marcelo Alves, esteve recepcionando os turistas que ...

Learn more

Related posts