Rock In Rio em dia de Metal

Por Redação

A Cidade do Rock foi invadida por um público bem característico para um dia de metal e as roupas pretas não deixavam dúvidas. Entre camisas do Iron Maiden, headliner da noite, botas de couro e cabelos longos, havia muitas bandeiras de diversos estados brasileiros e também de outros países. Definitivamente, os fãs do heavy metal compareceram em peso ao Rock in Rio no retorno do dia totalmente dedicado ao gênero musical.

Sambrasil Turismo e Cultura no Rock in Rio 2019

Prepare-se para viver o maior Rock in Rio de todos os tempos no Sambrasil Turismo e Cultura. Siga-nos no Instagram, @sambrasilturismoecultura, fique por dentro de todas as novidades do festival, acompanhe também nossas redes sociais e nos marque @sambrasilturismoecultura #sambrasilturismoecultura . Enfim, #vemprossambrasil e desfrute desta cobertura sensacional da oitava edição do Rock in Rio. Siga também: @portalsambrasil #portalsambrasil

No Palco Mundo, o headliner inverteu o horário de sua apresentação: Iron Maiden e seu show arrebatador, repleto de elementos cênicos, foi a penúltima banda a se apresentar, enquanto Scorpions, que volta ao festival após a lendária apresentação da primeira edição, em 1985, fechou a noite em grande estilo. Quem esteve neste dia memorável do Rock in Rio fez questão de levar para casa uma lembrança. Ao longo de todo dia, o público fez fila nas lojas de produtos oficiais em busca de camisas, chaveiros e outros acessórios personalizados com temas das bandas de metal que passaram por aqui e do próprio do festival.

E mesmo subindo ao palco como convidados especiais, logo após o show do Iron Maiden, os alemães do Scorpions não deixaram cair a temperatura da Cidade do Rock. No show repleto de sucessos como “Send me na angel”, “Wind of change” e “Rock you like a hurricane”, a banda ainda aproveitou para fazer uma homenagem ao primeiro Rock in Rio (1985). Em “Coast to coast”, o guitarrista Matthias Jabs, tocou o mesmo instrumento usado por ele em 1985, com referências à bandeira do Brasil, que foi totalmente reformado para este show.  A guitarra, um presente dado por Jabs a Roberto Medina, presidente do festival, hoje fez parte do espetáculo.

Mais cedo, Sepultura abriu a noite e relembrou o músico André Mattos, vocalista do Angra. A foto do artista foi exibida nos telões do Palco Mundo antes da banda começar a tocar “Refuse/ Resist”. No pit estavam a mulher e outros familiares do músico, falecido em junho deste ano. Pela segunda vez no Rock in Rio, Terence Lima, de 42 anos, veio de Belém, e comentou a homenagem. “Foi muito bonito esse reconhecimento de um ícone do metal, que fez história no Brasil e no mundo!”, contou. Para Terence, outro ponto alto do show foi a apresentação de uma música inédita. No último show da turnê Machine Messiah, o Sepultura tocou “Isolation”, canção que estará no próximo disco da banda, “Quadra”, cujos nome e capa também se tornaram conhecidos do público hoje. “Foi um momento único, eles surpreenderam a todos trazendo essa prévia do que a gente pode esperar do próximo disco”, completou.

Rock In Rio é inclusão! Com o recurso da #Audiodescrição ao vivo, dezenas de Pessoas com Deficiência, em especial para os cegos, curtem o show do #Sepultura

https://www.instagram.com/p/B3N9RbXngKu/

A segunda banda a subir no Palco Mundo, Helloween, mostrou toda a sua força na Cidade do Rock. Com a formação da turnê Pumpkins United, que une membros considerados lendários da banda alemã, os músicos realizaram uma apresentação impecável e repleta de sons melódicos. “Helloween é um show que eu queria ver há muito tempo. Foi bem legal porque nós estávamos perto do palco e quando eles jogaram uma bola gigante da banda (com o formato de uma cabeça de abóbora) a gente pegou! Estamos muito felizes de estar aqui!”, vibrou Sérgio Henrique, bancário de 40 anos, que veio pela terceira vez ao festival acompanhado da filha – na primeira delas, a menina que hoje tem 12 anos, ainda estava na barriga.

Slayer se despede dos fãs em show no Palco Sunset

O thrash metal da banda Nervosa abriu o quinto dia Palco. O trio formado por Prika Amaral (guitarra e vocais), Fernanda Lira (vocal e baixo) e Luana Dametto (bateria) ferveu a plateia com o ritmo agressivo e provou a força feminina cada vez mais presente na cena do metal nacional. Nem o sol forte desanimou o público do heavy metal que compareceu em peso para os shows do Tortune Squad & Claustrofobia, que receberam como convidado o lendário Chuck Billy, ex-Testament.

O grupo americano Anthrax, um dos pioneiros do subgênero, subiu ao Palco Sunset e tocou grandes sucessos, como “Madhouse” e “Indians”. Quem encerrou a noite no local foi a banda Slayer, que anunciou sua aposentadoria dos palcos depois de 37 anos e fez seu último show no Brasil. Os fãs assistiram a um verdadeiro espetáculo de heavy metal, com a marcante presença de palco dos seus integrantes e um repertório rápido e eletrizante, que garantiu uma despedida à altura da história da banda. Entre os clássicos do grupo, o público conferiu “Repentless”, “South of Heaven” e “Seasons in the Abyss”.

LIGA SP DIVULGA CALENDÁRIO DE ENSAIOS TÉCNICOS NO ANHEMBI

Por Marcelo Faria Foto por Caroline Ferreira As agremiações já iniciaram seus ensaios ...

Learn more

Related posts