Browse By

Dona Vilma Nascimento – O Cisne da Passarela

Por Redação

Hoje o mundo do samba comemora mais um ano de vida do Cisne da Passarela, Vilma Nascimento. E que ano! Um ano em que os portelenses reencontraram o prazer de ser campeões, em que puderam soltar o grito há muito preso na garganta. Grito que Vilma tão bem conhece, pois foi protagonista de várias vitórias do povo de Oswaldo Cruz e Madureira. Ricamente adornada de dourada, tal qual a personificação de Oxum, fez desaguar doces águas de felicidade e liderou uma legião de apaixonados portelenses a mais um título. Nessa data tão especial, o Portal Sambrasil deseja que Deus lhe conceda muitos anos de genuína felicidade, que o amor de Oxum e a altivez e garra de Oxóssi a cubram e a protejam. Mais uma vez, a agradecemos pelo exemplo e pela linda história de amor a nossa arte, por ter contribuído para a evolução do bailado e levado o nome de nossa classe ao grande público, abrindo caminho para que outras pudessem desfrutar do status de figura mais importante de uma escola de samba. Feliz aniversário!

O Portal de Notícias Sambrasil – www.sambrasil.net presta esta singela homenagem a esta grande #Personalidade do mundo do samba.

Desfilou pela primeira vez, ainda criança, no bloco Unidos de Dona Clara. Estreou como porta-bandeira defendendo a União de Vaz Lobo, escola de sua mãe. Na época, era também dançarina da boate Night and Day, na Cinelândia. Começou então a chamar a atenção de Natal, que a convidou para a Portela. Recusou os primeiros convites, mas acabou cedendo pouco antes de se casar com Mazinho, filho de Natal. Em 1957, assumiu a bandeira azul e branca, substituindo Dodô, que passou a atuar como segunda porta-bandeira.

Defendida por Vilma, a Portela conquistou quatro campeonatos seguidos, de 1957 a 1960. Ganhou do jornalista Valdinar Ranulfo o apelido de Cisne da Passarela devido à elegância com que mudou o estilo de dança das porta-bandeiras, que nessa época passaram a ser um dos quesitos julgados no desfile.

Em 1969, Vilma passou o posto de primeira porta-bandeira para Irene e passou a desfilar como destaque. Retomou a função de 1977 a 1979. Na década de 1980, fez parte do grupo que se afastou da escola para fundar a Tradição. Só voltou à Portela em 2007.

Foi homenageada pela Porto da Pedra como uma das “Majestades do Samba”, tema do desfile de 2014.

Ganhou o Estandarte de Ouro três vezes seguidas pela Portela (1977, 1978 e 1979) e uma pela Tradição (1989).

Em 2009, sua filha Danielle Nascimento se tornou também porta-bandeira da Portela

Samba na Fonte comemorou seus 10 anos com lançamento de CD no Teatro Rival

Por Marcelo Faria Fotos por Marcelo Faria e Mariana Campos O Movimento de Compositores ...

Learn more