Browse By

Clara Nunes completaria 75 anos no mês de agosto

Por Redação

O Portal Sambrasilwww.sambrasil.net preparou esta matéria especial para homenagear uma das maiores cantoras do cenário nacional. Que completaria 75 anos no próximo sábado (12).

Conheça detalhes sobre a vida e carreira de Clara Nunes.

Dona de uma voz exuberante, Clara Francisca Gonçalves Pinheiro, conhecida como Clara Nunes, mineira de Paraopeba (município do estado de Minas Gerais em, 12 de agosto de 1942, morreu no Rio de Janeiro em, 2 de abril de 1983), foi uma cantora brasileira, considerada uma das maiores e melhores intérpretes do país. Pesquisadora da música popular brasileira, de seus ritmos e de seu folclore, Clara também viajou para muitos países representando a cultura do Brasil. Conhecedora das músicas, danças e das tradições afro-brasileiras, ela se converteu à umbanda e levou a cultura africana para suas canções e vestimentas. Clara Nunes foi uma das cantoras que mais gravou canções dos compositores da Portela, sua escola do coração. Também foi a primeira cantora brasileira a vender mais de 100 mil cópias, derrubando um tabu segundo o qual mulheres não vendiam discos.

 

Segundo as suas próprias palavras, cresceu ouvindo Carmem Costa, Ângela Maria e, principalmente, Elizeth Cardoso e Dalva de Oliveira, das quais sempre teve muita influência, mantendo, no entanto, estilo próprio. Em 1952, ainda menina, Clara venceu seu primeiro concurso de canto organizado em sua cidade, interpretando “Recuerdos de Ypacaraí”. Como prêmio, ganhou um vestido azul, talvez daí a sua paixão pela Portela.

No início da década de 1960, Clara conheceu também Aurino Araújo (irmão de Eduardo Araújo), que a levou para conhecer muitos artistas. Aurino também seria seu namorado durante dez anos. Por influência do produtor musical Cid Carvalho, mudou o nome para Clara Nunes, usando o sobrenome da mãe. Quando solteira se chamava Clara Francisca Gonçalves de Araújo, depois de casada que adotou o sobrenome Pinheiro.

 

Em 1960, já com o nome de Clara Nunes e ainda como tecelã, ela venceu a etapa mineira do concurso “A Voz de Ouro ABC”, com a música “Serenata do Adeus”, composta por Vinicius de Moraes e gravada anteriormente por Elizeth Cardoso. Na final nacional do concurso realizada em São Paulo, Clara Nunes obteve o terceiro lugar com a canção “Só Adeus” (de Jair Amorim e Evaldo Gouveia).

 

A partir daí, Clara Nunes começou a cantar na Rádio Inconfidência de Belo Horizonte. Durante três anos seguidos foi considerada a melhor cantora de Minas Gerais. Ela também passou a se apresentar como crooner em clubes e boates na capital mineira e chegou a trabalhar com o então baixista Milton Nascimento – àquela altura conhecido como Bituca.

 

Naquela época, fez sua primeira apresentação na televisão, no programa de Hebe Camargo em Belo Horizonte. Em 1963, Clara Nunes ganhou um programa exclusivo na TV Itacolomi, chamado “Clara Nunes Apresenta” e exibido por um ano e meio. No programa se apresentavam artistas de reconhecimento nacional, entre os quais Altemar Dutra e Ângela Maria.

 

Viveu em Belo Horizonte até 1965, quando se mudou para a cidade do Rio de Janeiro, mais especificamente para Copacabana.

 

O samba é a sua maior identificação

Em 1970, Clara Nunes se apresentou em Luanda, capital angolana, em convite de Ivon Curi. No ano seguinte, a cantora gravou seu quarto LP, no qual interpretou “Ê Baiana” (de Fabrício da Silva, Baianinho, Ênio Santos Ribeiro e Miguel Pancrácio), música que obteve considerável sucesso no carnaval de 1971, e “Ilu Ayê”, samba-enredo da Portela (de autoria de Norival Reis e Silvestre Davi da Silva). Na capa do álbum, a cantora mineira fez um permanente nos cabelos pintados de vermelho e passou a partir daí a se vestir com roupas que remetiam às religiões afro-brasileiras.

Em 1972, Clara se firmou como cantora de samba com o lançamento do álbum “Clara Clarice Clara”. Com arranjos e orquestrações do maestro Lindolfo Gaya e com músicos como o violonista Jorge da Portela e Carlinhos do Cavaco, o disco teve como grandes destaques as canções “Seca do Nordeste” (um samba-enredo da escola de samba Tupi de Brás de Pina), “Morena do Mar” (de Dorival Caymmi), “Vendedor de Caranguejo” (de Gordurinha), “Tributo aos Orixás” (de Mauro Duarte, Noca e Rubem Tavares) e a faixa-título “Clara Clarice Clara” (de Caetano Veloso e Capinam). Ainda naquele ano, Clara Nunes se apresentou no “Festival de Música de Juiz de Fora” e gravou um compacto simples da música “Tristeza, Pé no Chão” (de Armando Fernandes), que vendeu mais de 100 mil cópias.

 

A Odeon lançou em 1973 o disco “Clara Nunes”. Naquele mesmo ano, a cantora estreou com Vinicius de Moraes e Toquinho o show “O poeta, a moça e o violão” no Teatro Castro Alves, em Salvador. Também em 1973, Clara foi convidada pela Radiotelevisão Portuguesa para fazer uma temporada em Lisboa. Depois, percorreu alguns outros países da Europa, como a Suécia, onde gravou um especial ao lado da Orquestra Sinfônica de Estocolmo para a TV local.

 

Artistas e amigos se reúnem para ajudar o Maestro Ivan Paulo

Por Redação O maestro Ivan Paulo, aos 79 anos, enfrenta um grave câncer, que atingiu ...

Learn more